Conclusões do Congresso de Gestores Portugueses

Conclusões do 3º Congresso de Gestores Portugueses

No discurso de encerramento do 3º Congresso de Gestores, Paulo Carmona, presidente do Fórum de Administradores de Empresas, na presença de S. Exa, o Sr, Ministro da Economia e da Transformação Digital, Pedro Siza Vieira, referiu as conclusões principais do Congresso em 3 pontos fundamentais.

1. FAE apoia uma política de maior subida do salário mínimo para valores bastante mais elevados, desde que traga maior flexibilidade que permita às empresas melhorar as condições de trabalho, retendo e reconfigurando talentos, e a qualidade da gestão em Portugal. Gerir com baixos salários e com inflexibilidade laboral não é gerir. Os trabalhadores e as novas gerações têm cada vez mais anseios e exigências quanto à quantidade, qualidade e local de trabalho que a atual legislação não permite às empresas satisfazer.

2. Em segundo lugar trazer e reforçar o papel das universidades com as empresas na formação e investimento no capital humano, ajudando a defender o trabalhador em novas qualificações em vez de insistir na manutenção de postos de trabalho em vias de desaparecimento.

3. Em terceiro lugar, aumentar o apoio às empresas que se querem capitalizar. Existir maior moderação na cobrança de imposto e na distribuição de dividendos, se possível, dado que o lucro é a poupança das empresas que lhes permitirá investir. Nós os gestores reconhecemos a importância da remuneração do capital, pelos dividendos, e dos fatores de redistribuição social por via dos impostos, mas ao defender o futuro da empresa, temos de defender a sua capitalização, retendo os lucros para o necessário reinvestimento nos trabalhadores e nas ferramentas da digitalização, sem recurso à dívida.

O FAE, representante dos gestores portugueses há mais de 40 anos, saúda as preocupações do Governo com a Transformação Digital, vertidas no novo nome do Ministério da Economia, bem como a escolha do seu titular, personalidade respeitada e conhecedora das forças e fraquezas, ameaças e oportunidades das empresas portuguesas. Que passemos a olhar, governar e a gerir para o futuro, muito difícil, mas maravilhoso.

Categoria: Notícias.